Dez frases do ministro Mantega no Valor Econômico de 06/06/2013

1 Sobre a reação dos mercados ao anúncio de Bernanke

“Câmbio é importante. Nesse momento, há uma desvalorização generalizada, principalmente nos países emergentes produtores de commodities, por causa do presidente do Federal Reserve (Fed), Ben Bernanke, que anunciou que deverá reduzir os estímulos e comprar menos ativos financeiros.”

2 Sobre a permanência da taxa a R$2,10

“Acho que teremos volatilidade, idas e vindas ao sabor das notícias. Se a recuperação não se consolidar, o Fed manterá os estímulos. Por enquanto os sinais são erráticos.”

3 Sobre a queda no saldo comercial

“Essa queda, aliás, se deve praticamente à conta petróleo. Sem o petróleo, estaríamos com superávit de mais de US$ 5 bilhões no quadrimestre.”

4 Sobre a liberdade de flutuação da taxa de câmbio.

 “O Banco Central não está comprando divisas há muito tempo e mesmo os “swaps”, as intervenções no mercado futuro, estavam praticamente zeradas até a semana passada.“

5 Sobre o fim do IOF na renda fixa

“Estamos gradualmente tirando a incidência dos IOF. Tiramos da renda variável e, agora, da renda fixa.”

6 Sobre a desvalorização do câmbio e gastos de viagens.

“Nós desvalorizamos o real em 17% a 18% no ano passado, mas os gastos com viagens internacionais só aumentam. Acho que eles respondem mais à renda do cidadão, da classe média.”

7 Sobre o aumento dos investimentos

“A retomada dos investimentos foi confirmada nos dados de abril, que mostram vigor. E não é só na área de caminhões. Nos dados divulgados pelo IBGE na terça-feira, da Pesquisa Industrial Mensal, o que chama a atenção é exatamente o investimento que está difuso. “

8 Sobre o consumo

“Nós constituímos um mercado interno poderoso no Brasil e isso representa 60% do PIB. O consumo continuará crescendo, provavelmente a uma taxa mais baixa do que no passado.”

9 Sobre o fluxo de recursos

“O nosso fluxo não me preocupa, porque o investimento estrangeiro direto será forte”

10 Sobre o aumento da taxa Selic

“O surto inflacionário, que já está passando, criou uma expectativa ruim. Então o Banco Central [ao elevar os juros] corta essa expectativa e diminui a possibilidade de uma propagação da inflação.

About cesarlocatelli

Sócio Diretor da F2 Formação Financeira. Mestre em Economia e Professor de Finanças, Derivativos e Planejamento Financeiroa
This entry was posted in Frações Financeiras. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>