Frações Econômicas 36 – Aluguel de ações? Cash & Carry?

O aluguel de ações está cada vez mais comum no Brasil, tendo atingido o estoque de quase 25 bilhões de dólares, à frente de diversos países desenvolvidos. Vamos entender o funcionamento do aluguel de ações e suas motivações?

Por que alugar?

Imaginemos um fundo de investimentos, um fundo de previdência ou uma pessoa física que possui uma carteira de ações com uma estratégia de longo prazo e que, com certeza, não irá vender suas ações nos próximos meses. Para esse cliente, chamado doador, a possibilidade de alugar seus papéis torna-se uma alternativa para receber alguns recursos pela carteira que possui, que de outra forma ficaria parada.

Qual é o valor do aluguel para o doador?

Para termos uma ideia, entre 25 e 29/7/13, foram alugadas ações preferenciais de Petrobras num valor próximo de 740 milhões de reais. As taxas a serem recebidas pelos doadores ficaram com média de 0,32% ao ano. A aluguel é sujeito a imposto de renda da mesma forma que as operações de renda fixa.

Quem tem ações para alugar?

Segundo a BM&FBovespa no ano de 2013 até junho, cerca de 41% dos doadores eram investidores estrangeiros, 31% eram fundos mútuos e 23% eram pessoas físicas.

Por que tomar aluguel?

baixaPara entender o lado do tomador do aluguel precisamos imaginar um fundo ou um investidor que acredita que o preço de uma ação vá cair. Se ele conseguir vender agora para comprar daqui a algum tempo, esse tomador pode obter um lucro vendendo antes por um preço mais alto do que vai comprar depois. Ele lucrará se sua estratégia der dado certo e o preço da ação de fato cair.

No entanto, como é possível vender antes de comprar, se ele nem tem a ação? É nesse momento que entra o aluguel, pois o tomador, ao contratar o aluguel, fica com as ações disponíveis para venda sem tê-las comprado. No instante seguinte a tomar o aluguel, ele vende as ações no mercado e só precisará comprá-las de volta quando for entregá-las de volta ao doador do aluguel, aquele que alugou as ações para ele.

Na prática, o tomador “toma” as ações por empréstimo, vende no mercado, compra de volta e devolve ao doador que emprestou as ações para ele.

Qual é o valor do aluguel para o tomador?

Entre 25 e 29/7/13, foram alugadas ações preferenciais de Petrobras num valor próximo de 740 milhões de reais. As taxas a serem pagas pelo tomadores ficaram com média de 0,34% ao ano.

Quem são os tomadores de aluguel?

Segundo a BM&FBovespa no ano de 2013 até junho, cerca de 60% dos tomadores eram fundos mútuos e 25% eram investidores estrangeiros.

Qual é o risco de crédito para o doador?

Quando é contratado o aluguel, a BM&FBovespa assume o papel de Contraparte central garantidora. Isso quer dizer que a bolsa assume o risco das partes interessadas entre o fechamento do negócio e sua liquidação.  Mesmo que o tomador não devolva as ações, a Bolsa fará isso e executará as garantias que foram pedidas ao tomador, lá no início da operação. Assim é possível afirmar que o doador não corre o risco de crédito de tomador, mas sim, o risco de crédito da BM&FBovespa, que é a garantidora.

Quais as formas de contratos?

O que é cash & carry?

É uma estratégia em que primeiro se compra uma determinada ação ou um índice, para em seguida vender, geralmente, um contrato futuro da ação ou do índice. Essa estratégia é adotada quando se quer arbitrar que o preço da ponta comprada e o preço da ponta vendida vão se aproximar. Os preços podem se aproximar pela subida da ponta comprada, pela queda da ponta vendida, ou pelos dois movimentos. A estratégia será perdedora se os preços se afastarem.

O que é cash & carry reverso?

O cash & carry reverse é uma combinação de uma posição vendida em uma ação ou um índice com uma posição comprada no futuro. Essa estratégia em geral usa o aluguel de ações para montar a posição vendida no mercado à vista para então comprar no mercado futuro. Essa arbitragem é possível nos momentos em que o preço futuro é inferior ao preço à vista. A estratégia funciona como se vendêssemos mais caro hoje para comprar mais barato no futuro.

Para saber mais:

http://www.bmfbovespa.com.br/pt-br/Servicos/download/Folheto_Emprestimo_Ativo.pdf

About cesarlocatelli

Sócio Diretor da F2 Formação Financeira. Mestre em Economia e Professor de Finanças, Derivativos e Planejamento Financeiroa
This entry was posted in Frações Financeiras. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>