Melhores leituras de 2014 para Planejadores Financeiros por Michael Kitces

Esse texto foi originalmente publicado em inglês por Michael Kitces em 16/06/2014. A tradução é de César Locatelli. Kitces tem grande experiência em planejamento financeiro, é um grande incentivador da profissão, é autor de diversos livros e palestrante. Vamos ao texto?

“Uma vez mais, as férias escolares estão chegando, as atividades de aconselhamento financeiro vão diminuindo, e teremos mais tempo para relaxar e ler livros. Como um ávido leitor, sei que sempre desejo receber sugestões de bons livros para ler e suspeito que muitos de vocês também procurem indicações de leitura. Dessa forma, no ano passado publiquei minha Primeira Lista de Leituras de Verão, que foi muito bem recebida, então atualizo a publicação novamente. A lista de 2014 inclui uma grande variedade de temas, alguns sobre marketing e práticas de gerenciamento, alguns sobre psicologia e finanças comportamentais, e algumas outras leituras não-ficção. Espero que seja útil e que você divida conosco sugestões de leitura e comentários que tiver.

Start with Why de Simon Sinek

Este livro de Simon Sinek foi, de longe, o livro de negócios mais inspirador que li ao longo do ano passado. A premissa básica do livro é que, nos negócios, a maioria de nós foca em “o que” fazemos e “como” fazemos, porém não gastamos tempo suficiente no “porquê” fazemos o que fazemos, apesar do fato que, afinal de contas, especialmente nos negócios que envolvem relacionamento pessoal como planejamento financeiro, as pessoas não compram “o que” você faz, eles compram o “porquê” você faz isso (ou como diz o ditado as pessoas fazem negócios com pessoas que conhecem, gostam e confiam… e o “porquê” é a base para conhecer, gostar e confiar). Embora o fenômeno não seja limitado a relações comerciais, Sinek aponta a Apple com um bom exemplo de empresa que efetivamente incorpora seu “porquê” para pensar de modo diferente, e ao longo do tempo atraiu muitas pessoas que compartilham seus “porquês” e são defensores apaixonados de sua marca (você já tentou discutir com um fã da Apple sobre os produtos da Apple!?)! De modo oposto, as companhias ferroviárias do final dos anos 1900 constituíram um bom exemplo de uma indústria que falhou porque não entendeu seu “porquê”; eles pensavam que estavam no ramo de ferrovias, mas estavam no transporte de massa de longa distância e, consequentemente, estavam cegos à nova inovação para o transporte de massas: a aviação. Ao longo do livro verá histórias inspiradoras que possivelmente o estimulará a pensar em seu próprio “porquê” e sua própria razão de ser. Para quem quer uma versão mais curta veja o vídeo do TED de Sinek com mais de 17 milhões de acessos. De todo modo vale muito a pena ler o livro todo.

Unmarketing de Scott Stratten

O conceito deste livro é que “marketing” não se trata realmente de marketing; trata-se de conectar e engajar pessoas, estabelecendo uma ligação com elas que as faz desejar fazer negócios com você. A abordagem “pare de fazer marketing e comece a engajar pessoas” é o que Stratten fez para construir seu próprio negócio. O livro mistura pequenas histórias que ilustram suas ideias e conceitos com algumas de suas experiências pessoais. Sua abordagem de “marketing de engajamento” baseia-se fortemente em mídias sociais. Como resultado a maioria dos conceitos terá eco naqueles que são ou pretendem ser ativos em mídias sociais. No entanto, os conceitos são igualmente relevantes para qualquer firma de planejamento ou consultoria que busca crescer, especialmente considerando as pesquisas recentes que sugerem que o engajamento do cliente também é o melhor caminho para que ele o indique a outros potenciais clientes. Os planejadores que não são ativos em mídias sociais deverão esforçar-se um pouco mais para aplicar os conceitos do livro.

Gen-Savvy Financial Advisor de Cam Marston

Marston é um palestrante e pesquisador em tendências geracionais com foco em serviços financeiros. Ele examina a aplicação de pesquisas nas gerações denominadas Baby Boomers, Geração X e Geração Y no contexto de empresas de aconselhamento financeiro. Embora existam muitos livros sobre gerações e demografia que abordam as diferenças entre as gerações, o livro de Marston aprofunda-se com muito mais detalhes no modo como os conceitos podem ser aplicados. Os Baby Boomers, por exemplo, preferem que você conte a história de onde você e sua empresa vieram e preferem empresas e marcas testadas e bem estabelecidas. De outro lado, os integrantes da Geração X não tem muita paciência com histórias passadas e preferem que você vá direto ao ponto e seja transparente. A geração Y, também chamada de Milenials, demandam comunicação instantânea e tecnologia de ponta, mas preferem trabalhar em grupos (e pode ser mais fácil contatá-los se convidá-los como grupo!). Esse livro é relativamente curto (com menos de 100 páginas) e, provavelmente, será mais relevante para empresas tentando formar clientelas fora de seu grupo de clientes (ou uma geração diferente daquela do primeiro dono da empresa), que estão tentando comunicar-se melhor com clientes potenciais de uma geração diferente da sua ou diferente daquela que está habituado.

Decisive: How to Make Better Choices In Life And Work de Cheap Heath e Dan Heath

O livro dos irmãos Heath mergulha profundamente no modo que nossas mentes tomam decisões, como cometemos erros em nossas decisões e como corrigi-las. Embora se possa classificá-lo como um livro de finanças comportamentais, a realidade é que Decisive não é um punhado de teoria e pesquisa sobre os erros idiotas que cometemos pelo modo que nosso cérebro é conectado. Ao contrário, é um livro extremamente prático que nos orienta a fazer as coisas de modo diferente e enfrentar esses desafios. Como resultado, o livro é relevante para tudo, desde o modo pelo qual implementamos decisões de investimento (como já escrevi), até o entendimento do valor que um planejador financeiro agrega para clientes (uma visão exterior que distancia nossas decisões de nossas emoções), além de simplesmente ajudar a tomar melhores decisões nos desafios do dia a dia. Por exemplo, os autores apontam que escolher entre duas alternativas é muito melhor do que as decisões do tipo “pegar-ou-largar”. Consideremos, assim, decisões que criem melhor oportunidade para comparações lado a lado (por exemplo, ao contratar uma pessoa, sempre tenha ao menos dois candidatos para comparar e não tomar uma decisão do tipo “sim-ou-não” com um único candidato). Em última análise, vale o esforço de ler esse livro se queremos ajuda para tomar melhores decisões ou ideias para ajudar clientes a também fazê-lo.

The Power of Habit de Charles Duhigg

Confesso não ter lido ainda esse livro, no entanto ele é altamente recomendado por vários outros livros relativos a finanças comportamentais, incluindo Thinking Fast & Slow (da minha Primeira Lista de Leituras de Verão), o livro Decisive: How To Make Better Choices In Life And Work já citado e Changing for Good de James Prochaska. Já tenho o livro em meu Kindle e será minha próxima leitura.

O conceito central é que nossos hábitos forma um circuito fechado com três partes: uma chave que nos liga, uma rotina de nos engaja e uma recompensa no final. Contudo, algumas vezes, os hábitos podem ter consequências diferentes das intencionadas, como a rotina do “biscoito da tarde” que é, na verdade, muito mais um pequeno descanso do trabalho e uma socialização com os colegas do que efetivamente a comida – o que significa que a solução que captura a recompensa pode mudar o hábito: encarar o descanso e a socialização como as reais recompensas e eventualmente perder peso por abrir mão do biscoito. O foco do livro não está, somente, em o que são os hábitos, mas em como tentar entendê-los, mudá-los (caso isso seja necessário ou desejável) e como esses conceitos se aplicam a diversos contextos de nossa vida individual até a empresas e movimentos sociais.

Signal and the Noise de Nate Silver

Nate Silver é considerado um prodígio, que ficou conhecido por seu blog 538. Ele usou a estatística para prever, com sucesso, o resultado da última eleição presidencial em todos os 50 Estados americanos (embaraçoso para muitos ditos especialistas). Esse livro é a discussão de Silver do mundo da estatística e o modo que ela pode ser aplicada a uma grande variedade de problemas do mundo real (com foco particular em técnicas Bayesianas).

O livro avalia o modo que a estatística tem sido aplicada a tudo, desde previsão do tempo (em que estamos obtendo previsões verdadeiramente mais precisas com a evolução das técnicas estatísticas) até a previsão de terremotos (com praticamente nenhum progresso em décadas), passando por esportes e pôquer e até o modo de aplicar técnicas estatísticas para determinar se os mercados são ou não eficientes.

No final das contas, o princípio subjacente a todas essas questões -  e a análise estatística em si –  é a tentativa de separar sinais reais de ruídos (daí o nome do livro). Para quem quer ter algum conhecimento sobre o assunto mas não sabe como a estatística é aplicada aos problemas do mundo real, esse livro é muito interessante, embora eu garanta que ele contém muita informação relevante para conselheiros financeiros (são notáveis alguns pontos sobre a eficiência dos mercados ou falta dela).

Keynes’s Way to Wealth de John F. Wasik

Este livro nos dá uma visão interessante das experiências de investimento do famoso economista John Maynard Keynes e faz parte de minha lista de próximas leituras (veja aqui a indicação de uma resenha). Apesar de ter morrido bastante bem de vida (com um patrimônio de 22 milhões de dólares de hoje) como resultado de seus investimentos, Keynes não teve um caminho sem percalços. Seu primeiro investimento coletivo especulava com moedas, numa tentativa de alavancar seu conhecimento e finanças internacionais, faliu após uma inesperada alta contra sua posição vendida. Sua segunda tentativa em 1920, focando uma posição especulativa em commodities baseada em oferta e demanda, quase o quebrou novamente, após alguns anos de sucesso, quando rompeu a Grande Depressão. No fim das contas, Keynes adaptou sua abordagem para seleção de ações de longo prazo, que resultou muito melhor investimento do que suas especulações com moedas e commodities, embora eu suspeite que mais fascinante é o desenvolvimento e a evolução da filosofia de investimento do grande pensador econômico.

Capital in the Twenty-First Century de Thomas Piketty

Sensação nos círculos econômicos atualmente, o livro é um mergulho profundo na história da desigualdade de renda e chega a uma conclusão perturbadora: uma desigualdade de renda significativa pode ser uma inevitável decorrência de uma economia capitalista sem intervenções governamentais para preveni-la. O problema fundamental é que, ao longo do tempo, o retorno sobre o capital (r) tende a ser maior do que a taxa de crescimento da economia de um país (g) e, desse modo, o capital daqueles que o detém crescerá mais rapidamente aumentando a desigualdade. Piketty sugere que o problema já existia no século XIX, mas as duas Grandes Guerras e a Grande Depressão (com níveis muito altos de impostos e/ou inflação em vários países) romperam a tendência por algum tempo, mas agora o crescimento da desigualdade está em curso novamente. O Autor sugere que a melhor solução é um esforço coordenado globalmente para tributar a riqueza (extrema) e adverte que ignorar o problema nos levará a desigualdade cada vez maior (desde que r > g permaneça). Este não é um livro leve, com 696 páginas, mas se você quer estar na mesma velocidade do pensamento recente sobre a desigualdade e potenciais soluções que podem ser propostas no futuro (pois Piketty tem sido uma estrela de rock em turnê com os principais líderes mundiais e influenciadores de políticas públicas), não há melhor leitura do que diretamente na fonte.

The E-Myth Revisited de Michael E. Gerber

Este livro não é novo (foi atualizado em 2009 e originalmente publicado em 1986), mas é de longe um dos livros de maior impacto em minha forma de pensar como dono de um negócio e é um dos livros que fortemente recomendo a todo e qualquer conselheiro financeiro que esteja abrindo ou construindo um negócio. A premissa do livro é que a maioria dos negócios não é, na verdade, iniciada por empreendedores que se predispõem a abrir um negócio. São técnicos que gostam de executar um trabalho que abrem empresas para poder fazê-lo. Contudo o resultado é que a maioria dos pequenos negócios falham, porque os técnicos têm as habilidades para executar o trabalho no negócio, mas não têm as habilidades necessárias para trabalhar o negócio, no sentido de trabalhar a empresa para sobreviver e crescer.

Gerber ilustra esse conceito com a pessoa que faz tortas excepcionais, mas não tem as habilidades necessárias para tocar ou gerenciar um negócio de fazer tortas. A analogia se aplica à maioria das empresas de planejamento financeiro que são gerenciadas por técnicos que são grandes planejadores financeiros que, contudo, gastam grande parte do seu tempo trabalhando no negócio e não trabalhando para que a empresa cresça. O livro prossegue fornecendo ideias e conceitos valiosos sobre o modo como os técnicos podem tentar trabalhar esses desafios e mudar seu modo de pensar, para realmente compreender como fazer crescer e construir seus negócios. Se você estiver tentando construir uma empresa de planejamento financeiro e não leu esse livro, faça um favor a você mesmo nessas férias e o leia.

Succession Planning for Financial Advisors: Building an Enduring Business de David Grau

Lançado há apenas duas semanas, de modo que só comecei a leitura, esse livro é do fundador da FP Transitions (que realizou mais de 5.000 avaliações para empresas de planejamento financeiro e mais de 1.200 transações). Grau detalha sua visão, sabedoria e experiência sobre a melhor forma de executar um plano sucessão em um empresa de consultoria financeira – um tópico de grande relevância para os planejadores financeiros de hoje, especialmente com a escassez de livros e conteúdo sobre melhores práticas em planejamento sucessório.

No livro, Grau penetra profundamente em tudo desde o momento em que um planejamento sucessório formal deve começar, o modo de estruturar e incentivar a próxima geração e oferecer uma transição financeira confortável para o fundador, além de reestruturar aspectos chave do negócio para torná-lo habilitado para a transição em primeiro lugar. O livro não é, no entanto, somente para donos de empresas de consultoria financeira, mas pode ser muito relevante para planejadores mais novos que querem começar a discussão sobre o planejamento sucessório com os donos de suas empresas.

Então, o que você acha? Vai ler algum desse livros nas férias? Tem outras sugestões que quer compartilhar? Conte para gente.”

Nota do Tradutor: Alguns dos livros já podem ou poderão brevemente ser encontrados em português:

SINEK, Simon. Por quê? – Como grandes investidores inspiram ação. Saraiva

DUHIGG, Charles. O poder do hábito. Objetiva

SILVER, Nate. O sinal e o ruído. Intrínseca.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e Devagar – Duas formas de pensar. Objetiva.

PIKETTY, Thomas. O Capital no Século XXI já está em tradução e será publicado no Brasil, no segundo semestre deste ano (2014), pela Intrínseca.

About cesarlocatelli

Sócio Diretor da F2 Formação Financeira. Mestre em Economia e Professor de Finanças, Derivativos e Planejamento Financeiroa
This entry was posted in Frações Financeiras. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>